E Transbordava



Como se ainda fosse o tempo

eu te amava como um sonhador
dos sonhos que a gente esqueceu de sonhar
dos motivos que a gente desistiu de encontrar

Como os meus clichês preferidos
eu te amava com a sutileza dos finais felizes
e das certezas contaminadas com poesia

Como se fosse verdade, eu te amava
como se eu mesma pudesse entender
as perguntas que eu fiz para a vida
e ninguém conseguiu responder

Como se eu pudesse voltar
Eu te olhava, amava e deixava
sobre a cama as nossas fantasias
e a música que embalava
o que era nosso e a gente não sabia

Como se eu quisesse paz
eu te amava, ia embora e voltaria
a procura do caos que eu roubei
e perdi procurando em você

Como se fosse difícil
eu te amava e me perdia
como se fosse loucura
na simplicidade dos seus sentidos
e no amor que não cabia
eu te amava, e transbordava



Porque a verdade é que a gente sempre acaba falando de amor, não é mesmo?
A foto que eu coloquei hoje é de um filme que eu assisti faz algumas semanas e me apaixonei completamente . O artista ganhou o oscar do ano passado, e muita gente, digo isso pelas minhas amigas, deixou de assistir por ser um filme mudo e em preto e branco. Pra mim isso só torna ele mais fascinante. Se você nunca assistiu um filme mudo por acreditar que deve ser muito chato e você vai acabar dormindo, a minha dica é que você se deixe surpreender por essa história de amor, que é linda, charmosa e ousada. Ele faz a gente pensar que o cinema é muito mais do que a fala dos atores e os efeitos especiais mas, principalmente, que uma bela história de amor não precisa de palavras.
Beijos, amores 

Marcelle F.

Sem rumo



Ao acordar, um shot de vodka e a cara lavada pra quem quiser bater.

Chegar ao fim como quem sai sem rumo; Sair sem rumo como quem tem um fim.
Da janela, o mundo cabe no asfalto; do asfalto, nada cabe ao coração.
O coração que houvera ardido ontem e que ressoava em sua cabeça como uma música chata de rádio. Ela olhava o cinza e não entendia. Sabia do refúgio da noite, da solidão das ruas desertas. Ela era a mentira encarnada tentando ser uma verdade qualquer, testando todos os limites do mundo até que pudesse provar da dor. Oscilava entre a dor e o nada, sentia as lágrimas secas se formarem nos seus olhos. Secas, e ela não percebia que lhe faltava até a água salgada das pessoas tristes. Ela não era triste porque não importava ser ou não ser. Nada importava mais. Por que agora ela estava sozinha entre os carros desgovernados. E mesmo que a chuva caísse, não importaria. Ao arder do coração ela não poderia entender. O sorriso cruel se formava em seus lábios como solução pra um dia previsível e chato, como todos os outros. E quando chegasse o entardecer, ela se lembraria, insistiria no que ninguém acredita, amaria como se fizesse sentido, saberia entender, ainda, o arder de seu coração.
Olá, meus amores. Como vocês estão?
A Laylinha infelizmente está toda enrolada sem pc e precisamos aguentar firme com o Peacetime um pouco menos doce hahaha, mas não deixarei vocês desamparados!
Antes de qualquer coisa, queria agradecer muito a vocês pelos comentários cheios de carinho, tem sido muito gratificante estar com vocês!
Hoje eu só queria falar um pouco das tempestades que fazemos nas nossas vidas. Um amigo me pediu para falar de felicidade, e de tanto me perder nas expectativas e problemas e confusões, acabei questionando a minha própria felicidade. Decidi que não quero conceituar isso ou analisar o que precisa dar certo na minha vida para que eu possa me dizer feliz. Não faz sentido, porque felicidade não é algo que se possa alcançar, é algo que se experimenta se você se abrir o bastante pra isso.
Não há nada dando certo na minha vida ultimamente, e não posso dizer que me sinto feliz todos os dias, mas os dias em que encontro meus amigos, os dias em que chove, os dias em que as palavras me dão esperança, esses dias são a minha felicidade e isso vale muito mais do que qualquer coisa. Tem dias que não são fáceis, e estamos realmente sem rumo, e não há nada no planeta que possa colocar um sorriso em nosso rosto, é verdade. Cai sobre nós o peso de ter que dizer que está tudo bem quando tudo que queremos é desmoronar, mas não podemos, simplesmente não podemos desistir.
Mais do que isso, precisamos deixar que a felicidade nos alcance. Ela está em todo lugar, mesmo quando tudo está dando errado. E se nos fecharmos nas nossas fraquezas vamos construindo um abismo dentro de nós. É preciso arriscar, é preciso procurar o detalhe que ninguém percebeu ainda, é preciso dar valor para a vida que a gente deixa escapar se preocupando demais com o que não está dando certo. Porque talvez aquele cara que passa por você todos os dias tenha um sorriso lindo e você nem percebeu; talvez você esteja distante da única amiga que poderia entender você agora, se você ligasse para ela; talvez você tenha feito uma escolha que não foi a melhor para você, mas ainda dá tempo de mudar, sempre dá tempo; ou talvez nada esteja sob o seu controle e não há nada que você possa fazer, a não ser tentar ser feliz. Porque, haja o que houver, haverá o entardecer, haverá a esperança, haverá o amor e enfim, a felicidade esperando por você. Coragem.

Marcelle F.

Na varanda

    Tô na varanda como todos os dias, esperando por você como que pelo pôr do sol. Ele vem de tarde, doce e suave, acariciar meus sonhos – aqueles que já deveriam ter se desmanchado com o tempo, mas permanecem aqui; eles e você. 

    Todas as noites, minha taça de vinho e a nossa cama. Faz tanto tempo mas eu ainda poderia dizer vem que eu quero você mais perto; e se pudessem te alcançar as minhas palavras, eu diria que hoje eu tô sem medo e que hoje eu voltaria pra te dizer sim.
    O meu maior segredo ainda é você, e a minhas nuances, minha cartela de sorrisos.
    Escuta, hoje já não importa; no meu peito já não cabe a dor.
    Me lembro do último dia, primeiro do tempo que não passa, da ousadia da nossa hesitação.
    Você poderia ter corrido, eu poderia ter lutado. Mas a simplicidade do que se fazia nós não entendia de tempo ou verdade. 
    Mas ouve em mim, no meu exagero você cabe inteiro e na minha memória e matéria e desejo.
    Tanto tempo e você foi a prece; a música melodiosa que chegava em qualquer quarta-feira sem graça sem você.
    E amanhã, eu ainda vou esperar pelo pôr do sol e por você. E a nossa cama ainda vai sentir teu cheiro.
    É só o que os meus olhos vão ver e só o que vai arder no meu coração. Teu calor e teu cheiro e teu gosto. Sem qualquer distinção. Como quando eu inteira me perdia em você; o dia todo, agora e depois; na minha e na tua vida; no teu chão e no meu paraíso.
    E quando você voltar vai ter gosto de sonho e sorvete no domingo.
    Na varanda, ao pôr do sol, pra todo dia, pra todo lugar, eu vou esperar por você.

Scott Fitzgerald disse que não se escreve por se querer dizer alguma coisa, escreve-se porquese tem alguma coisapara dizer. Eu penso nisso antes de escrever qualquer coisa. Quero algo com verdade, não apenas uma impressão. E se há algo que se tornou a verdade das minhas palavras foi a espera. Esperar é uma das coisas mais difíceis da vida para mim e eu nunca me convenço de que é o bastante. Quando se sonha com uma carreira, você fica imaginando tudo dando certo pra você, as pessoas reconhecendo o seu trabalho, propostas sendo feitas, ideias fazendo de você alguém genial. E o que acontece é que podemos nos doar ao máximo, temos que esperar o tempo certo das coisas. Quando se sonha com um romance, é o maior de todos os sonhos, projetamos tanto que vivemos tanto quanto sonhamos, e podemos encontrar pessoas interessantes, podemos não encontrar ninguém, podemos nos culpar por sermos exigentes demais ou nos entregarmos demais, podemos revirar os nossos conceitos e correr atrás de quem queremos. E no final das contas, estaremos esperando pelo tempo certo das coisas, porque o universo não está nas nossas mãos. É difícil esperar, é como buscar soluções em analgésicos que nunca farão efeito e não vão fazer você se sentir menos sozinha, menos incapaz, ou com menos dor. Mas é preciso ter esperança, não por causa de qualquer frase de efeito, mas porque ás vezes, ela é tudo que temos, e só dela pode renascer os sonhos que a gente ainda vai viver.

Marcelle F.

O prazer é todo meu :)

Olá galera, tudo bem?
Esse é o meu primeiro post aqui. A liiiinda da Layla me convidou para fazer parte da equipe e estou super feliz de poder compartilhar um pouquinho do meu mundo com vocês. Meu nome é Marcelle, eu tenho 19 anos e sou completamente apaixonada por Literatura. Acredito que a Arte torna nossa vida muito mais bonita e preenche ela de significado. Todo mundo, ainda que não se dê conta, precisa se expressar de alguma forma, desenhando, fotografando, escrevendo, ou se permitindo envolver pela música, pelo cinema, pelos livros e tudo mais. Tudo na vida tem um pouquinho de poesia, um pouquinho de magia, e é isso que eu vou tentar trazer para vocês. Para começar eu escolhi um texto que eu escrevi já faz muitos anos e não considero um dos meus melhores textos, mas de alguma forma ele tem uma verdade que todas as vezes que eu releio ele se encaixa perfeitamente e me faz perceber o que está por trás de todas as tempestades que eu faço. Esse é um texto pra vocês me conhecerem melhor e talvez se encontrarem também.

Pretensão

Hoje, ela queria um pouco de nostalgia
Talvez não esperasse pela alegria instantânea
Talvez não duvidasse que as lembranças poderiam ser melhor

Hoje, ela queria não se sentir sozinha
Talvez não esperasse por qualquer palavra
Talvez acreditasse no que elas podem dizer

Ela não deseja mais do que a paz de um amor
Mas talvez ela precise de paixão e tragédia
talvez o sentido das coisas esteja em seu coração

Ela não quer que a vida seja menos do que um romance
Talvez ela tenha desistido daqueles suicidas
Talvez ela só sonhe, e nada mais

Só por hoje, ela não vai desistir de lutar
Talvez não seja tão fácil lutar contra si mesma
Talvez ela só precise de um tanto de amor